Pular para o conteúdo principal

SIMPLESMENTE HUMANO

     O violonista, compositor, arranjador e cantor João Alexandre, um dos ícones da cultura gospel de qualidade, com todo seu estilo requintado, traz uma realidade evidente na canção “Quem sou eu”. Leia o texto abaixo e depois aceite meu convite, caro leitor, para fazermos uma breve reflexão sobre a efemeridade da vida:
 
Foi Sua voz que fez nascer toda a luz
Foi Sua mão que pôs estrelas nos céus
Seu nome é Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte,
Príncipe da Paz, Pai de toda Eternidade

Foi Seu olhar que a tantos trouxe o perdão
Foram seus pés que andaram por cima do mar
Ele abriu mão de Sua glória; desceu do céu pra mudar
toda a história para sempre

Quem sou eu pra não ver?
Quem sou eu pra não crer?
Quem sou eu pra detê-lo em meus limites?
Quem sou eu pra mudar?
Quem sou eu pra fugir?
Quem sou eu? Diante dEle quem sou eu?

Todo o sofrer Ele tomou sobre si
E a nossa paz com sua morte comprou.
Foram feridas e dores que nos trouxeram a vida; plena
vida; vida sem fim.

O Seu querer sempre há de ser o melhor.
Meu coração sempre há de ser seu lugar.
Sua palavra ilumina e dirige todos os meus passos.
O seu nome é Deus; poderoso Deus.
 
     A humanidade insiste em querer assumir as rédeas da vida, manipular e realizar seus sonhos numa atitude extremamente egocêntrica e desenfreada, como se pudesse controlar todos os limites de seu curto espaço de tempo sobre esta terra, enquanto isso, ela vai escapando como a areia entre os dedos.
     Por carregar em seu caráter espiritual a essência da eternidade divina projetada por Ele no início da criação, o homem esquece que com a sua desobediência sobreveio o pecado e, consequentemente, a morte. Portanto, essa etapa é denominada de peregrinação e durante essa caminhada é de suma importância reconhecer nossa estrutura frágil e debilitada, deixando o mastro por conta de quem conhece realmente o caminho de volta para casa, a fim de que o navio chegue totalmente seguro.
     Avançar esse percurso por conta própria é navegar na tempestade, andar numa corda estendida sobre o abismo. Sábio mesmo é deixar todo o controle nas mãos de Deus e fazer como o Rei Davi que orientou seu filho Salomão, conforme menciona o livro de I Reis, capítulo 2, dos versículos 1 ao 3: “Quando se aproximava o dia de sua morte, Davi deu instruções ao seu filho Salomão: "Estou para seguir o caminho de toda a terra. Por isso, seja forte e seja homem. Obedeça ao que o SENHOR, o seu Deus, exige: ande nos seus caminhos e obedeça aos seus decretos, aos seus mandamentos, às suas ordenanças e aos seus testemunhos, conforme se acham escritos na Lei de Moisés; assim você prosperará em tudo o que fizer e por onde quer que for.”.
     Veja que Davi fez questão de lembrá-lo: “Seja homem”, ou seja, reconheça suas limitações, não queira ser um super herói, nem tão pouco depositar a confiança no próprio esforço. É a sua graça que nos sustenta, nada mais que isso.
     Pense nisso, entregue-se a Jesus Cristo, deixe-o conduzir esta viagem. Ele já andou sobre o mar e tem o controle sobre a fúria dos ventos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…