Pular para o conteúdo principal

NÃO SAIA DO BARCO

     Há uma história bíblica presente no evangelho de Mateus, capítulo 8, entre os versículos 24 e 27 que traz uma lição de vida para os dias atuais, momento digno de reflexão: “E, entrando ele no barco, seus discípulos o seguiram. E eis que se levantou no mar tão grande tempestade que o barco era coberto pelas ondas; ele, porém, estava dormindo. Os discípulos, pois, aproximando-se, o despertaram, dizendo: Salva-nos, Senhor, que estamos perecendo. Ele lhes respondeu: Por que temeis, homens de pouca fé? Então, levantando-se repreendeu os ventos e o mar, e seguiu-se grande bonança. E aqueles homens se maravilharam, dizendo: Que homem é este, que até os ventos e o mar lhe obedecem?"
     Assim é a atitude da humanidade diante das ondas volumosas que tentam afogar os tripulantes tomados pelo desespero, pois a consciência frágil esquece da presença gloriosa de Jesus. Em alguns casos, a vontade é de abandonar a embarcação e tentar nadar freneticamente à procura de uma ilha de descanso, pensando ter vencido o problema, deixando-o para trás, fugindo da realidade trágica que precisa ser encarada.
     O certo é que Jesus está ali e os ventos lhe obedecem, a fúria do mar torna-se um lago manso e sereno e a calmaria volta a reinar, mas para que isso aconteça é necessário permanecer em alto mar, navegando sobre a situação caótica, para que a contemplação do milagre seja presenciada dentro do próprio barco, pois dentro dele temos onde escorar e o assento, mesmo que encharcado, ainda permanece como plataforma e suas laterais ainda servem de apoio para os braços trêmulos. A fúria das águas parecem não ter limites, mas não podem despertar o sono daquele que tem o domínio absoluto sobre a força da natureza, mas infelizmente seu momento de descanso é interrompido pela falta de fé dos demais companheiros de viagem. O desespero deveria ter sido substituído pela confiança convicta de que era momento também de dormir e descansar, enquanto o barulho ensurdecedor das ondas seriam ouvidas como gotas de orvalho que caem de forma pacífica sobre as ervas do campo.
     Ao despertarem, restaria uma vaga lembrança de terem sonhado com algo assustador, mas não poderiam definir com precisão o pesadelo, sabiam apenas que agora estavam diante do cenário encantador e convidativo das águas que o chamavam para um momento de pesca, enquanto as gaivotas sobrevoavam suas cabeças. Então, cada um pegaria seus apetrechos e arremessariam seus anzóis. Depois de algum tempo sentiriam a falta do principal tripulante: JESUS. Ao procurá-lo o avistariam do outro lado, em terra firme, que de longe acenava, dizendo:
      - Podem vir, encontrei um lugar seguro para vocês.
     Um dos navegantes perguntaria:
      - Como o Senhor foi parar aí, por acaso as ondas o arremessaram?
      Ele abriria um sorriso e responderia:
      - Não, simplesmente enquanto vocês descansavam resolvi andar por sobre as águas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…