Pular para o conteúdo principal

O SOFRIMENTO PRODUZ BONS FRUTOS

     Este foi o primeiro artigo que escrevi no ano de 2010. Durante um tempo em silêncio, muitas coisas aconteceram e posso compartilhar dessa experiência, caros leitores, de algo que acontece não só no meio cultural, mas a todos que têm aptidões para o mundo das artes.
     Analisando alguns mestres da literatura universal, bem como outros intelectuais de diversas áreas ligadas à produção artística, pude compreender que a dor é um elemento fundamental para a motivação, ela propicia um estágio criativo, fazendo trabalhar a mola propulsora que lateja no coração daquele que carrega em suas entranhas o dom natural da produção, um presente de Deus para alguns dos escolhidos.
     Durante o século XIX, os poetas da fase denominada mal-do-século, período romântico que era liderado por escritores conceituados, tais como Álvares de Azevedo, Fagundes Varela e Casimiro de Abreu, realizaram suas principais produções literárias nos momentos de extremo sofrimento. Os modernistas Vinícius de Moraes, Manuel Bandeira, Mário de Andrade e Clarice Lispector, por exemplo, também foram artistas que realizaram grandes feitos literários nos momentos de rígida escassez.
     O gosto pela música, o apetite pela cultura artística são elementos que me acompanham desde tenra idade. Esse universo sempre me causou um fascínio inexplicável, então, conforme ia crescendo, explodiam dentro do meu peito, fazendo com que essa busca tornasse uma necessidade primordial para manter-me vivo, porém esqueci-me de alimentar outro mundo que pulsa dentro de cada um dos seres humanos: o espiritual. Esse também é regado pela dor e seu duro aprendizado acontece meio ao deserto.
     Toda humanidade geme como mulheres na hora do parto, carregando um vazio que só pode ser preenchido pela presença gloriosa de Jesus Cristo. Infelizmente, Sua presença extraordinária na maioria das vezes só é reconhecida nos períodos áridos, nos momentos que somos tomados pela consciência de quem realmente somos: pó da terra, nada mais que isso, pobres miseráveis que pensam ser algo a mais quando estão vivendo bons períodos, na ilusão de confiar em sua capacidade e na força do próprio braço, mas quando acordamos para a realidade, notamos nossa insignificância e então passamos a alimentar nosso espírito desnutrido.           
     No deserto todos os sentidos são despertados e a voz de Deus passa a ecoar verberizando seu amor dentro do nosso sedento coração. As escamas dos olhos caem, a cera dos ouvidos é removida e então passamos a ouvir sua doce voz chamando-nos de filho. Nesse terreno seco nos gloriamos nas próprias tribulações, pois assim menciona a palavra de Deus em Romanos 5, versículos 3 e 4: “Sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança. No livro de Jó, capítulo 5, versículos 17 e 18 há uma outra realidade que deve ser observada: “Bem aventurado é o homem a quem Deus disciplina; não desprezes, pois, a disciplina do Todo-Poderoso. Porque Ele faz a ferida e Ele mesmo a ata; Ele fere, e suas mãos curam.”           
     O sofrimento não só desperta os talentos adormecidos em termos culturais, fazendo aflorar todo potencial criativo, como também é uma espécie de passaporte que encaminha para a verdadeira felicidade, aquela que está junto a Cristo, nosso Senhor e Salvador, fazendo-nos frágeis nesses momentos para nos tornar fortes. Esse dilema paradoxal é uma gloriosa verdade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…