Pular para o conteúdo principal

DOCE MADRUGADA

    Enquanto a cidade, adormecida há muito tempo, arrastava seu sono morrinhento, meu espírito inquieto buscava a companhia dos acordes dissonantes para fazer uma viagem, sem sair da cama, rompendo madrugada adentro. 
     Por algumas horas vislumbrei o Rio de Janeiro, nas canções de Tom, Chico e Ivan; fervi sem sombrinha no frevo de Edu; os pés, salpicados de suor, roçaram a apoteose do samba, ao som de Leny, Djavan e Paulinho; os quadris cediam ao remelexo dos baiões e xotes que saiam da sanfona de Sivuca; o violão de Dori, soava manso, mesclado à voz de Nana; Joyce e Donato temperavam com salsa e bossa; as notas tronchas do jazz esticavam ainda mais a vontade de permanecer ali, refugiado nos aposentos da música.
    Sou notívago por natureza. Desde a mais tenra idade já flertava com a noite. Era exatamente nesse horário que meu corpo, tomado por uma energia produtiva, lecionava, lia, escrevia, assistia aos inúmeros filmes, biritava, petiscava e percorria os bares da cidade morena que desencadeavam uma série de canções da boa safra brasileira. Tudo isso me causava um extremo fascínio. A mente insiste em contradizer a rota normal da maioria dos viventes e ressalta que o dia foi feito para dormir e descansar.
    Agora, em solo rondoniense, o deleite pelas madrugadas tornou-se uma necessidade. É tempo de reestruturação, depuração. Momento de calar a boca do sol com a cortina acetinada da lua e fugir do calor escaldante, afugentando-me no ar condicionado; de lançar ao vento os processos, boletos e protocolos, de abandonar a mediocridade sonora que me azucrina nas ruas; de buscar, na pausa do silêncio, o compasso certo para encarar a dureza da rotina; de enclausuramento no hermético mundo distante em que vivo, onde a arte está emoldurada nas paredes do meu coração, o qual não ouso compartilhar com ninguém.
     Desligo o meu Sony e o sono me convida para dançar a canção derradeira. Estou pronto para o desconcerto do dia seguinte.     

Comentários

  1. É mesmo fascinante acompanhar o desenrolar dos fatos e dos acontecimentos na vida do escritor e poeta Beto. O processo natural do despertar para a verdadeira VIDA, a vida da essência primeira de todos nós, quer seja a da alma ou do espírito, nos deixa muitas vezes intrigados, e porque não dizer atônitos. Foi o que ele deixou transparecer nas entrelinhas do seu escorreito e aprazível artigo.
    É o que da mesma forma percebemos ao estudar a vida dos grandes ícones da arte universal em todos os seus ramos, e de forma muito especial na literatura e na poesia. Assim é na música com Bach, Handel, Mozart, Beethoven, entre muitos outros, na literatura e na poesia com Victor Hugo, Fagundes Varela, Charles Dickens, Fernando Pessoa, William Buttler Yeats, Olavo Bilac, William Blake, e a lista é grande.
    O fato é que essa “viagem” de que fala o Beto é uma constante na vida de todos nós. Notívagos de fato somos todos, pois seres espirituais em essência, aqui vivemos presos ao escafandro do corpo físico que é apenas um instrumento da nossa individualidade corpórea, o tão propalado “eu”, todavia, nada mais do que uma pequena parte do nosso verdadeiro SER.
    A vida é um constante processo de aprendizado e são muitas as viagens que fazemos. Porém a mais importante de todas é aquela que fazemos para dentro de nós mesmos. Cônscio desta certeza foi Sócrates, o maior filósofo do nosso mundo ocidental, que nos deu o exemplo ao adotar em sua vida o aforismo inscrito no pórtico do Oráculo de Delfos que dizia: “Conhece-te a ti mesmo”.
    É necessário que nos debrucemos ao estudo sério, sincero e continuado dessa essência de nós mesmos que somos seres imortais vivendo aqui e ao mesmo tempo num intermúndio. Só assim teremos condições de melhor avaliar essas “viagens” constantes da alma rumo ao conhecimento da VERDADE.
    Foi o que certa vez disse, de lá para cá, o grande escritor e crítico literário Humberto de Campos, ele que em vida ironizou a possibilidade do intercâmbio entre este e o outro lado da vida, em mensagem dirigida a outro grande vate das letras e amigo seu, do lado de cá, Agripino Grieco, no seguinte teor:
    “A razão do homem, em si mesma, fez o direito convencional, mas fez igualmente o canhão e o prostíbulo. E, sem a fé, sem a compreensão da sua própria alma, estranho às realidades profundas, o homem caminha, às tontas, endeusando todas as energias destruidoras da alegria e da vida.”
    Peço vénia ao primo e inspirado poeta por fazer da minha singela e dedicada resenha, nesta doce e congelada manhã, quase um outro artigo. Todavia, o meu exagero é a prova e a expressão maior do meu apreço e admiração por este acelerado vate das letras, no firme desejo de o motivar ainda mais nas expressões candentes de energias que brotam torrencialmente do fundo do seu coração.

    Avante Poeta!
    Seu primo, seu fã, Tonheiro

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…