Pular para o conteúdo principal

PAPO CABEÇA

     Ontem resolvi organizar meu acervo musical. Do lado esquerdo, um armário recheado de obras jazzísticas, todos trancafiados, catalogados e subdivididos por instrumentos.
     Entre os trompetistas: Dizzy Gillespie, Chet Baker, Miles Davis, Wynton Marsalis, Arturo Sandoval, Claudio Roditi, Lee Morgan e muitos outros; no compartimento dos saxofonistas, destacam-se, Charlie Parker, John Coltrane, Michael Brecker, Victor Assis Brasil, Paquito D’rivera, Joe Lovano, Sonny Rollins e uma outra leva de grandes músicos; dentre os guitarristas, Django Reinhardt, Wes Montgomery, Joe Pass, Barney Kessel, Kenny Burrell, Pat Martino, Pat Metheny, Mike Stern, Toninho Horta, Ricardo Silveira, Hélio Delmiro, Lee Ritenour e tantos mais que arrombavam minhas retinas; na área dos baixistas, dando o ar de sua graça, Charles Mingus, Jaco Pastorius, Richard Bona, Gary Willis, Stanley Clarke, Ney Conceição, Arthur Maia etc; empunhando as baquetas, Buddy Rich, Max Roach, Art Blakey, Dennis Chambers, Dave Weckl, Peter Erskine, Vinnie Colaiuta e vários outros que desempenham um papel importante na área rítmica da música instrumental; no campo dos violões, Paco de Lucia, Raphael Rabello, Charlie Byrd e outros mestres abrilhantam os compartimentos; no piano, muitos títulos aperfeiçoam ainda mais a degustação sonora, dentre eles, Oscar Peterson, Herbie Hancock, Chick Corea, McCoy Tyner, Michel Camilo, Michel Petrucciani e a lista se estende entre violinistas, clarinetistas, percussionistas, flautistas, bandolinistas e muitos outros.   
     Do lado direito, a Música Popular Brasileira também marca presença, arejando todo o ambiente: Tom Jobim, Chico Buarque, Edu Lobo, João Gilberto, Carlos Lyra, Francis Hime, João Donato, Ivan Lins, João Bosco, Djavan, Joyce, Fátima Guedes, Rosa Passos, Leny Andrade e mais uma série de renomados artistas que só não serão mencionados para não esticarem ainda mais este artigo.
     Enquanto a arrumação continuava, lembrei-me do papo filosófico entre dois indivíduos que trocaram suas ideologias no meu escritório de advocacia: 
     - Acho que ele vai ser mandado embora da fazenda – disse um deles.
     - Já vai tarde – respondeu o outro.
     Esse empregado deve ter feito alguma coisa errada para deixar o patrão enfezado desse jeito – pensei. 
     - Quem será que vai ganhar a fazenda de verão? – perguntou o de barbicha.
     - Tomara que seja...
     Antes que o outro sapecasse o nome da fulana de tal, percebi que estavam falando do medíocre reality. Mas a aula continuou, agora no campo das artes:
     - Agora o Tchan vai pra frente!
     - É verdade, o compadre Washington voltou.
    O pensamento me trouxe de volta à cena onde se encontravam os CD’s. Balancei a cabeça, indignado e agradecido. O mundo da sofisticação musical está todo na minha casa, basta esticar a mão e pegá-lo. 
     Comovido, agradeci a Deus por estar ali, protegido entre as paredes do meu quarto.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…