Pular para o conteúdo principal

ESPETÁCULO ANTOLÓGICO

     Todas as festas possuem características semelhantes: confraternização, sorriso frouxo, afeto, muita comida, bebida à vontade, mas quando os participantes são nordestinos e correm em suas veias o sangue “Lacerda” aí a comemoração envereda-se por outro rumo. Para o entendimento completo da situação é necessário estar no meio dessa gente, mas nesse artigo tentarei descrever de forma minuciosa alguns momentos marcantes, na intenção de não deixar escapar a realidade vivenciada.
     No dia 21 de julho de 2012, logo pela manhã, os participantes que chegavam ao Tênis Clube de Pedro Gomes já manifestavam os primeiros lampejos de alegria. Os abraços e beijos eram distribuídos sem modéstia. São Paulo, Goiânia, Campo Grande, Cuiabá, Rondônia, Sonora, Coxim, Pedro Gomes e até os Estados Unidos formavam um nordeste a parte. A algazarra e o furdunço eram tantos que os transeuntes próximos ao local juravam estar presenciando uma briga.
     À noite, pelo lado de fora do salão da Maçonaria, a fogueira de São Pedro também deu o ar de sua graça e os fogos riscaram o céu, sacramentando esse momento. Lá dentro, Selma Lacerda e os demais anfitriões (Célio e João Bosco) davam as boas vindas aos ilustres convidados, além de um breve relato sobre a trajetória de Pedro Lacerda (nossa ancestral raiz), juntamente com sua prole para arraigarem-se com suas alpercatas em solo Sul-Mato-Grossense. Enquanto isso, embaixo das mesas, os pés dos familiares pinicavam na vontade de arrastarem as chinelas. O sanfoneiro e seus comparsas deram início ao evento musical, executando polcas, guarânias, chamamés, rasqueados, vanerões, mas o grande momento artístico ainda estava por vir. De repente, o som cessou por uns instantes e Hélio Lacerda atracou-se ao violão, debulhando xotes, baiões e forrós de Luiz Gonzaga. Foi como jogar fogo em um tambor de gasolina. Enquanto isso, Célio distribuía as réplicas de chapéus de couro que mal abarcavam as cabeças nordestinas. O salão fumegava, o chão virou um braseiro só, os quadris sacolejavam freneticamente e as horas pareciam se esquecer de avançar. A felicidade tomou conta do ambiente e fez o tempo parar. A euforia vazava pelas frestas das janelas e aqueciam a noite fria da pacata cidade. Permaneci na entrada principal, por alguns instantes e vislumbrei minha mãe rodopiando pelo salão. Há tempos não a via tão feliz assim. Emocionei-me.
     No último dia (domingo) não foi diferente, a fartura não era só de churrasco e cerveja, mas de vidas repletas de amor. As pilhérias eram soltas como pipas e elevavam ainda mais o nosso rico senso de humor. Tudo era unânime, como uma família dentro de uma única casa. De quebra, numa demonstração magistral de humildade e simplicidade, Tio Luís encerrou o evento com seu discurso, fazendo com que os canudos acadêmicos de quem os possuísse ou qualquer outro estudo aprofundado ficassem engavetados, pois suas palavras soaram como uma lição de vida. Nesse momento era como se ele mudasse os versos de Humberto Teixeira: "Januários, respeitem seu Luís". 
     Quem disse que a farra acabou? Ainda ouço o marulho das ondas sonoras reverberarem dentro do peito. Fecho os olhos e vislumbro esse marco histórico. A festa ainda ecoa. Todo Lacerda sabe ouvir.  

         

Comentários

  1. Parabéns primo! De fato o evento foi maravilhoso e sua palavras traduzem bem a emoção que sentimos e que ainda nos arrepia quando lembramos da festa. A euforia contagia a ponto de motivar algumas pessoas a começarem a se organizar para a próxima festa ano que vem. Eu não perco essa, que venha a 10ª Festa da Família Lacerda - Goiânia - GO - BRASIL.

    ResponderExcluir
  2. Primo, gostei muito de como descreveu nossa festa!! Sou filha do Célio, e também possuo um blog.. passa lá também. Te linkei lá (:
    Um beijo !

    ResponderExcluir
  3. Foi sensacional e o seu texto mostrou com sutileza e simplicidade o que vivemos nos dois dias com os parentes de sangue, principalmente com as emoções à flor da pele, por ter acontecido na terra que acolheu os nossos antepassados.

    Parabéns cabra!

    Rafael Lacerda

    ResponderExcluir
  4. O texto fico excelente e descreve muito bem esse momento mais que especial, que todos nós da família Lacerda pudemos vivenciar... Agora é aguardar a próxima, que com toda certeza será ainda melhor....
    Parabéns!!
    Bjus da titia - Vilma Lacerda

    ResponderExcluir
  5. Beto, descrever a festa dos Lacerda's ocorrida agora em julho não é difícil, pois cada um tem uma história de vida que, somadas e contadas, não seria possível colocar em centenas de livros. Porém,você,de forma sutil e abrangente, descreveu a grande emoção de ter vivenciado e nos fazendo relembrar com muita saudade, momentos inesquecíveis, e para vivê-los novamente, somente indo a Goiânia no ano que vem.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…