Pular para o conteúdo principal

QUANTO VALE?

     No dia 14 de julho de 2011, às 23:00 h, no aeroporto de Ji-Paraná/RO, uma grande emoção tomou conta do lugar e se avolumou de tal forma que foi difícil conter o choro. Era a chegada de alguns membros da família Lacerda. De longe se podia ver os cabelos brancos dos integrantes que vinham de Campo Grande/MS para comemorar minha colação de grau, cerimônia realizada na Ulbra, no dia posterior, reunindo quase 60 bacharéis em Direito. Dentre os parentes, os tios, Misa (Misael Hélio), Sabirila Hair, vulgo Frango Vit (Elino), Zé Paganela (José Lacerda) e Maria do Rancho (Maria), além dos primos, Téiu, (Luís Fábio), Amiltu Ceza (Hilton Cézar) e Borba (Floriano Neto).
     Parte desta festa já havia começado com a comemoração do meu 1º aniversário de casamento, além da chegada de Madrinlurde, minha mãe querida. Os demais foram se acomodando aos poucos. Frango Vit, Misa, Téiu e Amiltu ficaram hospedados no hotel do Salim, uma espécie de aventureiro que contava histórias vistas apenas nos filmes do Spielberg. Aos poucos, Frango Vit foi instigando o hoteleiro a revelar seus feitos por todo o Brasil, inclusive três fatos muito intrigantes: ter sido sacristão de Padre Cícero, vendedor de bainha para foice e amigo íntimo de Maria Bonita, mulher do cangaceiro Lampião.
     Zé Paganela ficou hospedado na casa de Suvino (Antenor Lacerda), pai de Ursulão, vulgo Nanô. Maria do Rancho e Borba ficaram na casa do Bacharel. Maria ficou no cantinho das comadres, juntamente com sua parceira inseparável, Madrinlurde. Ao lado da cama de Ursulão, quem passasse por ali saberia que se tratava dos aposentos de Borba, uma vez que o colchão estava repleto de apetrechos: uma trena, um martelo, dois rolos de veda-rosca, uma chave de fenda, uma cola para cano, um chapéu de expedicionário, uma botina e as coordenadas descritas numa folha de sulfite, apresentando dicas de como se portar durante esses dias de hospedagem, tais como fugir de qualquer espécie de “tico-tico nervoso” (termo criado por Maria do Rancho) e se apoderar de todo tipo de potocas, pilhérias, mungangas e presepadas em geral para descontrair o ambiente.
     Durante o período de quase três dias, a alegria, espontaneidade e criatividade foram os ingredientes essenciais que tornaram esses momentos inesquecíveis, registrados na memória de cada um dos participantes. Dentre vários acontecimentos, alguns merecem ser descritos com minuciosidade: o fato de Borba e Rudia Monstra terem ficado badalando até altas horas da madrugada, lembrando dos episódios vivenciados por eles, afugentando o sono de Ursulina (Carina), esposa do anfitrião; enquanto isso, no outro quarto, as comadres tagarelavam e davam topadas no escuro, tentando acender a luz. No outro dia, até às 8:00 h, as duas já tinham aguado as plantas, ido à feira, feito o café e preparado o baião de dois para se juntar ao churrasco feito a quatro mãos: Moacir, sogro do Bacharel, Borba, Tio Misa e o próprio Rudia; as noites, regadas à cerveja, vinho e refrigerantes, se estendiam até tarde, enquanto Misa, apoderado de um violão e Ursulão, atracado à tanajura (instrumento de percussão), entoavam músicas de artistas do cancioneiro popular, tais como Djavan, Zé Ramalho, Luiz Gonzaga, Benito de Paula e outros nomes da MPB. Várias histórias eram lembradas na roda musical que se formava embaixo da mangueira, no fundo do quintal de casa. Vale ressaltar dois episódios inéditos e estranhos, dentre eles o fato de Ursulão ter descoberto, por acaso, que sua digníssima gostava de Chico Buarque. Segundo ela, as músicas desse artista transmitem uma paz, pois sua voz ecoa macio. Algo fora do normal, uma vez que para a maioria das pessoas, a primeira impressão é de puro repúdio. O outro caso espantoso foi em relação ao Borba que agora apresentava sintomas do “Complexo de Aguimar”, popularmente chamado de DAME (distúrbio do asseio matinal exagerado). Doença que atinge pessoas de várias idades, provocando um excesso de banhos, inclusive nas primeiras horas da manhã.
     A colação de grau também foi marcante. O Bacharel estava todo “entanguido” (termo nordestino que designa a rigidez do corpo, pressionado pela roupa apertada), usando uma vestimenta que mais parecia à do Padre Solimário (primo do mesmo). As fotos também formaram outros momentos hilários, o fato de Borba ter se posicionado com todo seu estilo, com uma das pernas estendidas e a outra segurando o peso do corpo, meio acocorado, mostrando todo seu equilíbrio. Trata-se de uma pose característica dele, um de seus talentos invejáveis e imbatíveis. Também não poderia ficar esquecido o momento em que os formandos lançaram os capelos ao vento. Mais de sessenta foram ao chão, mesmo assim, Ursulão foi capaz de visualizar o seu, pois era o único que possuía aquele tamanho gigantesco, fazendo jus a alcunha de “Rudia Monstra”.
     Quanto vale um sorriso frouxo, um abraço apertado, um beijo carinhoso na face, um olhar amoroso, cheio de gratidão? Momentos assim não têm preço, são imensuráveis, não podem ser medidos, ultrapassam os limites do tempo. Sei apenas que eles estão eternizados dentro de mim, como pérolas engastadas no coração.

Comentários

  1. Que bacana companheiro, senti o tamanho da felicidade ao ler o texto. Parabéns! Deus te abençõe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…