Pular para o conteúdo principal

ACORDA, DALAI! (Conto do livro "As presepadas de Dalai", 2008)

     Eis aqui um conto do meu livro "As presepadas de Dalai", lançado em 2008.

     Sempre em busca de uma independência financeira, muito antes de obter seu próprio negócio, Dalai investiu em vários ramos de trabalho, foi bancário, vendedor, balconista de farmácia, leiteiro, padeiro e plantonista numa loja de conveniências, mas infelizmente surgiram alguns percalços, pois seu perfil não se adequava às certas exigências. Acordar cedo, por exemplo.
    As evidências neurofisiológicas sempre indicaram que o sono para ele não se trata apenas de repouso cerebral, mas uma leseira crônica profunda, tornando-se cada vez menos reativo aos estímulos sensoriais. Sua vida boêmia sempre contribuiu para o avanço do estágio denominado “Sono de pedra”, por esse motivo, juntando as noites mal dormidas ao distúrbio congênito que lhe acompanhava, ficava difícil desempenhar certas funções.
    Seu primeiro emprego foi de estagiário na fazenda “Pirituba”, em Terenos, próximo à Campo Grande. As instruções foram apresentadas:
    - Logo bem cedo vocês apartam as vacas, retiram o leite e podem despejá-lo nos tambores, depois é só colocá-los no caminhão e entregar aos nossos clientes já cadastrados – orientou o capataz.
    Dalai, com os olhos em brasa, cambaleando de sono, apenas pendia o pescoço para o lado e, com o olhar enviesado, recebia as coordenadas.
    Os bezerros o adoravam, faziam a maior festa quando ele se aproximava do curral, por volta das 11:30. Durante sua primeira semana de trabalho, outra vantagem foi a enorme produção de coalhada, com o sol a pino, o leite azedava e a única saída era esse investimento. Não durou muito para que a primeira experiência fosse um verdadeiro fracasso. Depois de sua saída, ouviram-se muitos rumores por aquelas bandas de que os bezerros morriam de saudade, berravam desconsolados, como se tivessem perdido suas mães. Dalai foi importante na vida deles.
    Como padeiro, a história não foi diferente, a vizinhança do bairro Jockey Clube ficou mais de duas semanas sem saber o que era café da manhã. As roscas e pães só saíam depois do meio-dia.
    - Isso é serviço de corno! – resmungava, com a mão na massa.
    Também não demorou muito para que ele mudasse de ramo, desta vez como plantonista em uma loja de conveniências. Seu turno começava à meia-noite e encerrava-se às seis horas. Do lado de fora uma campainha e um aviso: “Plantão 24 horas, basta dar um toque”.
    Pronto, o caos estava instalado, algumas pessoas saiam dali e passavam na farmácia, a fim de comprarem gelol e passarem nos braços, de tanto tocarem a bendita campainha; uns chutavam a porta de ferro; outros buzinavam, gritavam no megafone e muitas outras atitudes tresloucadas que acabavam acordando toda a vizinhança, menos o funcionário da conveniência.
    Certa vez, um dos clientes comunicou a polícia, preocupado em ter alguém morto no interior da loja. Enquanto o helicóptero sobrevoava o local, surgiu a cabeça de Dalai na janelinha, soltando uma pilhéria:
     - Pra que esse furdunço, é só tocar a campainha, moçada!
    Mas foi na farmácia de seu pai, José Lacerda, que aconteceu uma presepada clássica:
     - Juda, a Vanda e eu iremos a Dourados, quero que você ajude o Dalai a abrir a farmácia. Sei que você é esperto e não vai deixá-lo perder o horário.
     - Pode deixar, padrinho, eu sou um raio pra acordar cedo!
    O sol já estava rachando, o cheiro da comida começou a se esparramar pela casa, acordando-os. Já era quase meio-dia, quando Dalai e Juda resolveram cumprir a tarefa. Na cozinha, Paulina apoderava-se de um pé de cabra para tentar arrombar a porta do quarto onde eles estavam.
    O emprego de bancário já foi mais sossegado, pelo menos não precisava acordar cedo, por outro lado, os tormentos aos finais de semana eram inevitáveis. Paulina, a empregada da casa, tinha o hábito de conversar sozinha e não compreendia a diferença entre bancário e padeiro, por isso incomodava o pobre Dalai.
     - Acorda, Dalai!. Acorda, Dalai!
     - Hoje é domingo, Paulina, não tenho trabalho – respondia com uma voz pastosa.
     Não demorou meia hora para que ela voltasse a chamá-lo:
     Dalai, já está na hora!
     - Pelo amor de Deus, Paulina, hoje é domingo, criatura!
     Paulina insistiu novamente, mas dessa vez foi surpreendida por um ataque de fúria. Dalai arremessou um chinelo daqueles bem pesados em direção à vítima e só não lhe acertou em cheio porque a porta fechou-se abruptamente.
     Dalai sofreu muito até chegar a ser dono do seu próprio negócio. Conforme mencionou o grande filósofo Borba, em um de seus momentos de meditação vividos “na sédea de seu Olivívio”: “Isso que é judiar o pobre do cristão!”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…