Pular para o conteúdo principal

DEDO DE DEUS



     É necessário estar preparado para encarar a guerra sonora que se alastra por todo território nacional, por isso, para conter os ataques fulminantes e avassaladores que são arremessados a esmo, sempre carrego armamentos suficientes (cds, pendrives e MP’s), blindando minha audição com o jazz, a bossa e o choro, mas nessa última tarde fui saqueado pelo esquecimento e por uma chuva torrencial que caía sem piedade, enquanto aguardava minha esposa voltar da loja de sapatos.  
    Estava atônito, fragilizado, despido no truculento campo de batalha, apenas com a companhia de um rádio famigerado. Tenho um medo terrível desse meio de comunicação. Das experiências vivenciadas, apenas duas exceções auditivas me encorajaram a ouvi-lo: nas madrugadas de Campo Grande, quando a UCDB mantinha os pés fincados no solo da MPB e ainda não havia se prostituído com outros gêneros bizarros e nos próprios programas que produzi e apresentei, logo que cheguei a Rondônia. Durante quatro anos, entre às 13:00 e 14:00 horas, meu programa exibiu uma sonoridade ímpar, recheada de canções saudáveis, transitando entre o universo sofisticado da Música Popular Brasileira e o da música instrumental. Agora eu estava ali, preso ao carro e totalmente desarmado. Poderia ter me atracado ao silêncio, seria a melhor companhia, mas resolvi arriscar e vencer o medo. Fechei os olhos e liguei o som, trêmulo, com uma esperança pálida de que algum evento musical milagroso acontecesse, mas sem nenhum êxito. Logo na primeira estação, um míssil sertanejo teleguiado acertou meus ouvidos em cheio. O impulso de sobrevivência fez os dedos mudarem rapidamente para outra frequência, mas em questão de segundos, outro bombardeio, desta vez uma granada sertaneja caiu sobre o banco do passageiro. Ainda zonzo, estiquei o braço e consegui mudar para outra. Imediatamente, antes que fosse novamente atingido, o inimigo avisou pelo megafone, com aquela voz de boi capão: “Agora é o arena rodeio chegando para lhe fazer companhia”. Antes que os disparos acontecessem, fiz a última tentativa, frustrada (é óbvio), mudando para outra que me alvejou sem tréguas, destrinchando balas sertanejas, transformando meu carro numa peneira. Então, em frangalhos e ofegante, desferi um soco no painel, finalmente desligando o aparelho. Por alguns instantes agarrei-me ao silêncio, retomando o fôlego.
     Enquanto rumávamos para casa, lembrei-me de outra peleja que estava por acontecer à noite: a final do programa ídolos. Três candidatos disputariam o prêmio de meio milhão de reais. Uma garota da linha americanizada, o sambista solitário e, pra variar, o capanga da linha inimiga, hasteando a bandeira do sertanejo mobral (esse que alguns iludidos chamam de universitário). Liguei a TV, totalmente desacreditado, já prevendo o fim trágico e inevitável, mas segurei firme nas mãos geladas da esperança e aguardei o momento final. A surpresa foi anunciada. A vitória inesperada surgiu.
     Não sei bem ao certo, se o jovem Everton foi realmente o preferido do povo brasileiro ou se houve a participação do dedo da Record, sei apenas que ganhou quem realmente merecia, pela escolha ousada do repertório, ao longo da competição e pelo talento inquestionável do artista campeão. Prefiro crer que Deus estava comigo naquele carro e Seu dedo Santo encontrou a sintonia certa que tanto procurei, ajudando a aliviar meu sofrimento, mostrando-me a face avermelhada do samba que batia forte no peito e dizia: Ainda estou vivo! 

Comentários

  1. Confesso que o poeta me fez tremer nas bases à medida que percorria aflito as linhas do seu escrito e tomar conhecimento dos “ataques fulminantes e avassaladores da guerra sonora que se alastra por todo território nacional”. Mesmo na certeza de que o “Dedo de Deus” também me indicaria uma saída ao final, não me contive em minha impetuosa fúria. O quadro é mesmo tétrico, eu pude perceber o desatinado descaminho na minha primeira volta à terrrinha de Cabral em 2005.

    Todavia, não tenho dúvidas que o escritor Beto tem condescendência para com a boa música sertaneja, que de fato é a grande vítima nesse desvario. Que não se assustem os membros do Blog, pois a riqueza de metáforas e figuras de linguagem do poeta é apenas uma característica da luxúria dos seu atraente estilo, aliado a uma sutil advertência para que valorizemos a verdadeira arte.

    Indulgência certamente deve ser o caminho para todos nós, pois quantos vezes não claudicamos nos devaneios e delírios da vida? Melhor do que ninguém a alma do poeta para sutilmente nos advertir das nossas desvairadas incursões no mundo das fantasias. Quiçá tenha sido este em tempos idos o propósito do grande vate da poesia moderna, Mário de Andrade, nessas despretensiosas linhas do seu Paulicéia Desvairada: “Profundo. Imundo meu coração . . . Olha o edifício: Matadouros da Continental. Os vícios viciaram-me na bajulação sem sacrifícios . . . Minha alma corcunda como a avenida São João . . .”

    A expressão singela e popular do “Dedo de Deus” é também fruto da sutileza da alma do poeta para nos asseverar que Deus está sempre presente em nossas vidas, muito embora as “suas mãos” não substituirão as nossas, nas tarefas que nos cabe realizar. Assim, fazendo uso responsável do nosso livre arbítrio, estaremos às salvas dos delírios e desvarios que comprometem a marcha do nosso progresso espiritual. Assim diz outro poeta dos tempos modernos nessas poucas linhas do seu belo poema “O Canto do Homem Novo”:

    Bebo o vinho da vida sem pedir licença.
    Lavo a face da Terra com a água da verdade.
    O fingimento, a mentira, a adulação, a perfídia
    provocam-me náuseas.
    Quero o mundo como ele é, a vida como ela é.
    Quero olhar para a face de Deus como a águia olha para o Sol.
    Ninguém é responsável por mim, ninguém me salva.
    Deus emancipou-me na minha liberdade e os temores do passado eu mesmo os sepultei.

    Do primo e fã Tonheiro

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…