Pular para o conteúdo principal

ABOIO

    Há alguns meses, os pecuaristas rondonienses participaram ativamente da campanha de vacinação do rebanho bovino, tendo um papel fundamental na prevenção e erradicação da febre aftosa, além de extirpar também outros flagelos, tais como o carbúnculo, a brucelose e a famigerada mosca-dos-chifres. Desta feita, lá estava eu acompanhando todo o processo que acontece duas vezes por ano.
     Os mugidos misturavam-se aos sons uníssonos e indefiníveis dos aboios que ecoavam pelo curral:
       - Ouou!, hea hea!, hen hen!...
      O bodejo não possuía nenhum código linguístico que o definisse, mas o gado entendia muito bem a mensagem e obedecia às ordens, seguindo rumo ao brete, só aguardando a agulhada que viria furar seu couro grosso. De sobra, ainda restava receber o ferrete fumegante, alaranjado de tão quente, para evidenciar a marca de seu dono. Escorei os cotovelos num cavalete e fiquei admirando a cena. Como essas vacas entendem esses rumores atípicos? Como saem satisfeitas, contentadas apenas com o pasto que as espera do outo lado da cerca, se o cheiro de couro queimado ainda acompanham suas narinas? As indagações mal foram formuladas e a resposta já batia no quengo suado. Lembrei-me da cidade. Lá também há muitos que ruminam coisas ininteligíveis, no entanto seguem felizes, orientados pelo aboio que os conduz ao piquete:
       - Tchu tcha tcha, hãm, tche tche rere tche tche, bará bará, berê berê, tchubirabiron, Lepo Lepo, rebolation...
       O gado contenta-se com o capim, seja ele mombaça, massai ou jaraguá, mas pelo menos possuem nutrientes que fortalecem o animal e o bolso do produtor que aguarda as tão almejadas arrobas, sem contar meus sonhos com aquela saborosa picanha, mas o que dizer do pasto cheio de pragas que o povo tem ingerido? Compreendi a canção de Zé Ramalho: “Povo marcado, povo feliz”. Seguem mansos como a boiada que vi passar naquele dia, olhando firme para o chão, sem saber que os dias estão contados, tangidos pelo caos, bem próximos do abate.  

Comentários

  1. EXCELENTE, aliás a referida música é uma da perolas do que se poderia sem exagerada pretensão chamar de rol de "AVIVALMA ACANHADA, vilipendiada" dos nós maioria patropis, Mombaças, Pacholas, pachorrentos, gados viejos , envelhecidos, encruados depois de cozidos, assados vivos... Como dito ou implicitado, revelado; chances temos, utiliza-las c á s i nunca! Mais que vazio e etéreo lamento profundo, exaltação legítima POETA, mais um ponto no Cordel Bacana!

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito texto primo!
    Sempre vejo em seus textos algo muito singelo de uma vida bem simples e isso é muito bonito de se ler :)

    www.chadecalmila.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…