Pular para o conteúdo principal

A VERDADEIRA BELEZA


     O que são os cabelos, senão uma exigência imposta pela sociedade para guarnecer o crânio com suas madeixas? E quando eles cedem às pressões do tempo, devo convencê-los de que não podem mais ser brancos? Será que é proibido ter rugas? Por que viver enfurnado numa academia, apenas para que meu corpo atenda aos padrões estéticos deste século? Se não sou adepto aos modismos estúpidos do momento, estou fora de moda? Devo pagar uma multa, se não obedeço às cores da estação? Quem disse que a beleza dá trela para a vaidade e a ilusão? Tudo isto é enfado e canseira, nada importa, apenas a certeza de que tudo voltará ao pó e que será consumido pelo solo gelado do esquecimento.
     Há beleza nos olhos saudosos de minha mãe, os mesmos que me encararam pela primeira vez quando eu ainda cabia estendido nas palmas de suas mãos; há beleza no primeiro choro tenor do meu filho, dando o ar de sua graça e que ainda posso ouvi-lo mesmo em sua plena adolescência; há beleza na porta que se abre e minha amada me convida para o enlace entre os lençóis; há beleza na voz doce da minha inesquecível avó, quando servia seus beijus e o delicioso café; há beleza nas risadas frouxas dos tios e primos, soltas a esmo nos momentos em que as inventividades e os improvisos apeteciam o senso de humor tão peculiar aos meus entes queridos; há beleza nas pescarias feitas ao entardecer, quando a brisa lambia as margens do rio e me envolvia em seu aroma de peixes nunca fisgados; há beleza na sanfona de Luiz Gonzaga, estremecendo o chão e fervendo o sangue nordestino da minha família; há beleza nos versos do Bandeira e Cabral, degustados no balanço da rede.
     A verdadeira beleza mora no berço das minhas memórias, tão frescas e vivas que nunca as perco de vista. Não preciso boliná-las, elas reverberam aqui dentro, dia e noite, sem dar tréguas, fincadas nas raízes profundas desta árvore encantadora chamada: vida. 

Comentários

  1. Realmente meu caro Poeta,

    A árvore encantadora da VIDA não perde sequer uma das suas pequeninas folhas. Tudo em nossas vidas, pensamentos e ações, sejam eles os mais insignificantes de que possamos imaginar, estará indelevelmente registrado nas profundezas da nossa alma ou Espírito Imortal. Assim, o mais importante mesmo não são as preocupações exteriores, mas sim aquilo que procuramos guardar nesse enorme hard drive da nossa consciência. Welcome back, não deixe a verve enferrujar. Tonheiro

    ResponderExcluir
  2. Oii primo, infelizmente vivemos em uma sociedade em que valoriza mais o corpo em si, beleza como das modelos, do que momentos únicos e felizes em nossas vidas!
    Ótimo texto, sempre arrasando nas palavras :)

    ResponderExcluir
  3. belo texto, sou longe de entender os padrões da sociedade diante da beleza das coisas, dificil também é aguentar a pressão e expressar nossos gostos e belezas individuais... é uma luta que é dificil pra muitos, que não querer ou temem sair do "Padrão" e ser criticado...
    muita coisa é bela mesmo >.< gostei muito de seu texto, um abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…