Pular para o conteúdo principal

OLHOS FITOS NA BELEZA

     Para que um texto seja bem desenvolvido é necessário dominar os recursos linguísticos, apresentar coerência e coesão nas ideias, conhecer as normas cultas da Língua Portuguesa e ter, principalmente, criatividade para expor tudo isso no papel.
     Ao ler um bom texto, tem-se a sensação de enriquecimento intelectual, um alargamento no campo do raciocínio, trazendo informações salutares que “abrem” a mente do indivíduo, proporcionando uma viagem profunda ao universo da cultura. Há textos que são capazes de despertar uma alma inconsciente, estimular as linhas de pensamento, acrescentar algo novo para reativar os neurônios e deixar cair as escamas dos olhos para que se possa contemplar claramente uma beleza até então desconhecida. Esse alto nível de produção artística pode saciar a curiosidade do leitor aguçado, é capaz de suprir suas necessidades culturais e deixá-lo numa posição privilegiada de ter um senso crítico mais afiado. Essa sede pode ser estancada  nas fontes límpidas da MPB, composta de autores que ousam navegar contra a maré do comercialismo desenfreado,  primando pela consistência artística. Infelizmente, há outros que não acrescentam nada,  as contribuições ficam no âmbito do retrocesso, da mesmice, carregados de futilidades, trazendo apenas palavras soltas, frases desconexas, ideias sombrias e mortas, um desperdício total de tempo. Depois de lê-los, nada acontece e por serem produções extremamente descartáveis, embrutecem o receptor, petrificam ainda mais a sua frágil consciência.
     As obras bem elaboradas fazem com que o leitor seja mais exigente. Na verdade, quem já "descobriu o paraíso" e se banhou nas águas escaldantes da beleza, podendo contemplar toda sua magnitude, não quer voltar a fenecer no deserto, nem tão pouco permanecer na escuridão.
     O texto abaixo, "A moça do sonho", composição de Edu Lobo e poema de Chico Buarque, é um belo exemplo de que a literatura da Música Popular Brasileira é uma pérola, faz os olhos marejarem de emoção:

Súbito me encantou
A moça em contraluz
Arrisquei perguntar: quem és?
Mas fraquejou a voz
Sem jeito eu lhe pegava as mãos
Como quem desatasse um nó
Soprei seu rosto sem pensar
E o rosto se desfez em pó


Por encanto voltou
Cantando a meia voz
Súbito perguntei: quem és?
Mas oscilou a luz
Fugia devagar de mim
E quando a segurei, gemeu
O seu vestido se partiu
E o rosto já não era o seu


Há de haver algum lugar
Um confuso casarão
Onde os sonhos serão reais
E a vida não
Por ali reinaria meu bem
Com seus risos, seus ais, sua tez
E uma cama onde à noite
Sonhasse comigo
Talvez


Um lugar deve existir
Uma espécie de bazar
Onde os sonhos extraviados
Vão parar
Entre escadas que fogem dos pés
E relógios que rodam pra trás
Se eu pudesse encontrar meu amor
Não voltava
Jamais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SOBREVIVENTES

Naquela tarde fatídica, esgueirando-me da impassividade do Direito e do campo minado que ameaça explodir meus tímpanos já em frangalhos, por uma questão de sobrevivência e necessidade fisiológico-musical, entrincheirei-me na casa do Thael.     Cheguei ofegante, disritmado, buscando oxigênio nos acordes dissonantes de seu violão. Ainda poderia aventurar-me lá pelas bandas do Luciano ou até mesmo uma pausa para ver esmerar as baquetas nervosas do Robismar, os únicos da cidade capazes de devolver-me o ar. Sensível e compatriado, sapecou logo à queima roupa três canções da lavra Bosquiana: “Corsário”, “Jade” e  “Quando o amor acontece”. O anfitrião soltou um sorriso ladino e, percebendo que ainda respirava com dificuldade, destilou doses cavalares de Djavan, Chico, Tom, Ivan e Edu. Aos poucos, mergulhamos no mar infinito da Música Popular Brasileira e mais pérolas foram surgindo como antibióticos potentes que expulsavam qualquer vestígio infeccioso.     Papos culturais foram estreitando…

ABDUZIDO

Para pedras parecerem plumas, o processo trabalhoso de mudança se desenrolava com o porta-malas erguido, destilando sons homéricos de cancioneiros da Música Popular Brasileira e inserções jazzísticas que fluíam potentes do meu pioneer.           O ambiente transformou-se em estúdio particular e, por vezes, pista de dança que deixavam a tarde muito mais harmoniosa. Era um olho na lida e outro nos transeuntes que passavam rente à garagem. Caras contorcidas, testas franzidas, narizes tentando alçar voos, lábios cerrados, sussurros incompreensíveis, sibilos denunciando a vontade de abater-me como presa, múltiplos sentimentos avolumavam-se na face rubra dos passantes. Isso não era fruto de uma atitude vingativa, a fim de dar o troco aos infortúnios causados por essa gente que me cerca continuamente com seus massacres sonoros, apenas um convite ao prazer e à degustação.             De repente, o pintor surgiu para continuar seu trabalho. Parou por alguns minutos, coçou parte da ca…

VITALIDADE DA ALMA NORDESTINA

“...mas quando é dia de festa todo povo do sertão dança para aparar as arestas do coração”, assim menciona Djavan, nos versos de “Vida nordestina”, uma das faixas do seu novo disco autoral: Vidas pra contar. O alagoano tem razão, pude flagrantear o acontecido em Campo Grande, durante esses quase trinta dias que estive por lá. Aos 73 anos de idade, após ter enfrentado duas cirurgias contra uma terrível neoplasia e passar por um tratamento severo, com mais de 30 sessões de quimioterapia e 39 radioterapias, já repousando em sua casa, na peleja com um aparelho desses mais modernos, minha mãe desabafou: - Meu filho, pelo amor de Deus, liga esse bicho, não sei viver sem música! Compreendi-me. Descobri de onde vem minha paixão pela música e literatura (embora já o soubesse). O gene arretado desta cearense me arrebatou ainda em seu ventre. Mal começaram a rugir os primeiros acordes do violão de Yamandu Costa, mesclados à delicadeza sonora que saía do acordeon de Dominguinhos, que, de sobressalt…